Abra sua cabeça … leia, leia, leia !

Na nossa atual sede de conhecimentos, nos deparamos com a barreira do tempo perdido. Não enxergamos tempo para curtir nossos novos conhecimentos. Não nos admiramos mais com grandes descobertas científicas. Tudo é normal ou obra do “destino”. Olhamos para o céu e não mais questionamos as estrelas ou os planetas. Como apareceram?

Um dia desses perguntei para um adolescente onde a mãe dele estava trabalhando. Prontamente ele me respondeu: – Numa fábrica de frangos. Tive vontade de rir. Será que a atual safra de jovens não sabe que o frango ” nasce” de um ovo, posto por outra galinha ?

Essa pequena introdução tem como objetivo, lembrar e aconselhar a todos, agarrar o hábito da leitura. Além de nos oferecer conhecimento, ela ensina a gente a pensar, a imaginar, a sonhar e a viver. É um mundo novo e prazeroso que muita gente desconhece. Isso não quer dizer que devemos abandonar as redes sociais. Pelo contrário, vamos perceber que nos portamos com com maior destreza para discutirmos um assunto ou para darmos uma opinião.

Conselho de amigo : Leia, leia, leia …

Anúncios

CÂNCER DE MAMA – ALERTA

Vânia_castanheira 

By Vânia Castanheira – Professional Medical, Health & Wellness Coach – ACC/ICF (International Coach federation) – Wellcoaches/ACSM (American College of Sports & Medicine) – MCI (Medical Coaching Institute of Israel).

CancerdeMama

O que uma pessoa com câncer de mama gostaria que você soubesse via

LINDA HISTÓRIA DA PÁSCOA

Latino

Foto by Latino

“PÃO VELHO”

Era um fim de tarde de sábado.
Eu estava molhando o jardim da minha casa, quando vi um menino parado junto ao portão, me olhando.
– Dona, tem pão velho? – perguntou ele.
Essa coisa de pedir pão velho sempre me incomodou…
Olhei para aquele menino tão nostálgico e perguntei:
– Onde você mora?
– Depois do zoológico, disse ele.
– Bem longe, hein?
– É… mas eu tenho que pedir as coisas para comer.
– Você está na escola?
– Não. Minha mãe não pode comprar material.
– Seu pai mora com vocês?
– Ele foi embora e nunca mais voltou…
E o papo prosseguiu, até que eu disse:
– Vou buscar o pão. Serve pão novo?
– Acho que não precisa mais não. A senhora já conversou comigo, isso já foi bom.
Esta resposta caiu em mim como um raio. Tive a sensação de ter absorvido toda a solidão e a falta de amor daquela criança. Tão nova e já sem sonhos, sem brinquedos, sem comida, sem escola e tão necessitada de um papo, de uma conversa amiga.
Quantas lições podemos tirar desta resposta:
“Não precisa mais não, a senhora já conversou comigo, isso já foi bom!”
Que poder mágico tem o gesto de falar e ouvir com amor!
Os anos se passaram e continuam pedindo “pão velho” na minha casa… E eu dando “pão novo”, mas procurando antes compartilhar o pão das pequenas conversas, o pão dos gestos que acolhem e promovem.
Este pão de amor não fica velho, porque é fabricado no coração de quem acredita Naquele que disse: “Eu sou o pão da vida!”
Verifique quantas pessoas talvez estejam esperando uma só palavra sua…

Feliz Páscoa para todos !

VIUVEZ

Viuvez

Sexta-feira “brava” 07/04/2017. CHUVA DE…Água em São Paulo e mísseis na Síria

Chuva

BOM DIA QUERIDOS AMIGOS!

Espero que assim seja porque os ânimos se apresentaram meio estremecidos no dia de hoje.

Aqui em São Paulo, particularmente, dois sustos acompanhados de muita tristeza e um pouco de desesperança. Primeiro o bombardeio de mísseis sobre a Síria e segundo os 75 mm de chuva até agora, quando a previsão era de 73 mm para todo o mês de abril.

Entristeceu um pouco a nossa sempre festiva sexta-feira.

Quanto aos mísseis sobre a Síria, lançados pelos Estados Unidos, na minha simples opinião, acho que “um erro não justifica outro”. Saudades da diplomacia do Obama. Violência não pode ser combatida com mais violência. Isso só vem a incitar o ódio entre os povos. Na verdade, nada justifica, para mim, uma ação dessas.

Quanto a chuva, em São Paulo nunca estamos preparados para esse “dilúvio”. Somos campeões em bueiros e galerias obstruídos pela sujeira por nós mesmos descartadas em lugares indevidos. “São Pedro”caprichou na quantidade de água para lembrar nossas administrações tem que fazer uma manutenção um pouco mais eficiente nas galerias da cidade. Vamos nos preocupar menos com as pichações, “que dão muito IBOPE” e mais com o que corre por baixo da cidade.

Enfim, vamos alegrar nossos corações, ajudar e consolar os afetados pelas tristes ocorrências. Com a ajuda de Deus, vamos para a frente que atrás vem gente.

Um beijo para todos vocês e apesar de tudo, tenhamos um bom dia. Façamos algo de bom para melhorar isso .

BOM FILHO, A CASA TORNA !

Voltei

Depois de longo e tenebroso inverno, senti a falta de voltar para esse cantinho maravilhoso, que faz parte do universo dos blogs.

Aqui temos muitos amigos e contamos com o privilégio de notícias e casos sempre reais e em primeira mão. Tudo fresquinho e sem sensacionalismo. De preferência, somos mais adeptos aos fatos não tendenciosos. Sei que é difícil não pender para o lado de nossas paixões, porém é muito importante que nos acostumemos a ser imparciais. Queiramos ou não, ao darmos alguma notícia estamos usando aquela nossa querida veia jornalística e para sermos bem interpretados e respeitados, temos que cair na realidade.

Espero ser persistente e participante nesse retorno ao mundo dos blogs e poder aprender sempre mais com todos vocês que frequentam e colaboram com esse nosso mundo maravilhoso.

Um abraço grande para todos e sejam bem recebidos por mim nesse meu retorno ao convívio de vocês.

Blog do Óbvio – Manoel

35 anos para ser feliz

$@by Martha Medeiros

Uma notinha instigante na Zero Hora de 30/09: foi realizado em Madri o Primeiro Congresso Internacional da Felicidade, e a conclusão dos congressistas foi que a felicidade só é alcançada depois dos 35 anos. Quem participou desse encontro? Psicólogos, sociólogos, artistas de circo? Não sei. Mas gostei do resultado.

A maioria das pessoas, quando são questionadas sobre o assunto, dizem: “Não existe felicidade, existem apenas momentos felizes”. É o que eu pensava quando habitava a caverna dos 17 anos, para onde não voltaria nem puxada pelos cabelos. Era angústia, solidão, impasses e incertezas pra tudo quanto era lado, minimizados por um garden party de vez em quando, um campeonato de tênis, um feriadão em Garopaba. Os tais momentos felizes.

Adolescente é buzinado dia e noite: tem que estudar para o vestibular, aprender inglês, usar camisinha, dizer não às drogas, não beber quando dirigir, dar satisfação aos pais, ler livros que não quer e administrar dezenas de paixões fulminantes e rompimentos. Não tem grana para ter o próprio canto, costuma deprimir-se de segunda a sexta e só se diverte aos sábados, em locais onde sempre tem fila. É o apocalipse. Felicidade, onde está você? Aqui, na casa dos 30 e sua vizinhança.

Está certo que surgem umas ruguinhas, umas mechas brancas e a barriga salienta-se, mas é um preço justo para o que se ganha em troca. Pense bem: depois dos 30, você paga do próprio bolso o que come e o que veste. Vira-se no inglês, no francês, no italiano e no iídiche, e ai de quem rir do seu sotaque. Não tenta mais o suicídio quando um amor não dá certo, enjoou do cheiro da maconha, apaixonou-se por literatura, trocou sua mochila por uma Samsonite e não precisa da autorização de ninguém para assistir ao canal da Playboy. Talvez não tenha se tornado o bam-bam-bam que sonhou um dia, mas reconhece o rosto que vê no espelho, sabe de quem se trata e simpatiza com o cara.

Depois que cumprimos as missões impostas no berço — ter uma profissão, casar e procriar — passamos a ser livres, a escrever nossa própria história, a valorizar nossas qualidades e ter um certo carinho por nossos defeitos. Somos os titulares de nossas decisões. A juventude faz bem para a pele, mas nunca salvou ninguém de ser careta. A maturidade, sim, permite uma certa loucura. Depois dos 35, conforme descobriram os participantes daquele congresso curioso, estamos mais aptos a dizer que infelicidade não existe, o que existe são momentos infelizes. Sai bem mais em conta.

Martha Medeiros, é gaúcha de Porto Alegre, onde reside desde que nasceu. Fez sua carreira profissional na área de Propaganda e Publicidade, tendo trabalhado como redatora e diretora de criação  em vária agências daquela cidade. Em 1993, a literatura fez com que a autora, que nessa ocasião já tinha publicado três livros, deixasse de lado essa carreira e se mudasse para Santiago do Chile, onde ficou por oito meses apenas escrevendo poesia.

Riqueza

manoeldebarros

by Manoel de Barros

A maior riqueza do homem
é a sua incompletude.
Nesse ponto sou abastado.
Palavras que me aceitam como sou – eu não aceito.

Não agüento ser apenas um sujeito que abre portas,
que puxa válvulas, que olha o relógio,
que compra pão às 6 horas da tarde,
que vai lá fora, que aponta lápis,
que vê a uva etc. etc.

Perdoai
Mas eu preciso ser Outros.
Eu penso renovar o homem usando borboletas.

Manoel de Barros

DIANTE DA ESCOLHA, É PRECISO REFLETIR

by Elaine Ribeiro, Psicóloga Clínica e Organizacional

Cada escolha gera sua consequência e causa um impacto na nossa vida

Como você tem feito as suas escolhas? Quantas vezes, precisando posicionar-se frente a uma situação complicada, você se sentiu confuso, sem saber o que fazer, incomodado ou pensando até mesmo em deixar uma situação de lado? Acho que muitos de nós já passamos por isso!

Nossa vida é pautada também pela possibilidade que temos de escolher, a liberdade de decidirmos, e isso representa o que difere o ser humano. Ao mesmo tempo que decidir é uma possibilidade, torna-se também um grande sofrimento quando nos mantemos na indecisão e na incapacidade de orientar nossas decisões.

 

foto
Foto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Para as realizações acontecerem, passos precisam ser dados. Um posicionamento pode nos custar indiferenças, tristezas, mas também muitas alegrias. A indecisão demasiada nos leva até mesmo ao adoecimento e a um conflito emocional. Ao nos colocarmos como reféns de uma decisão que pode ser tomada por nós mesmos, é importante que possamos “colocar na balança” os prós e contras daquela decisão, pensando que ela sempre envolverá uma ação.

Aprenda a posicionar-se

Viver sem um posicionamento ou sempre atrelado às decisões de terceiros pode também ter um preço muito alto, pois, em algum momento de consciência, vamos adotar uma postura negativa, culpando terceiros, eximindo-nos da nossa parte na história.

Muitas vezes, adotamos uma postura de procrastinação, ou seja, de empurrar o máximo do tempo possível para resolver algo, justamente pela necessidade de posicionamento. Ora, também essa postura pode nos ajudar por um tempo (enquanto avaliamos algo), mas se sempre for adotada, gera um ciclo de ansiedade e angústia, pois sempre estaremos “correndo” ou atrasados para resolver algo.

Outra situação que pode acontecer é quando uma pessoa, que busca sempre a perfeição e a melhor opção para todos, também se encontra indecisa. Nosso medo de errar também gera esse bloqueio. Parece que preciso fazer tudo de forma tão perfeita, que caio no processo de indecisão.

Poder de decisão

Decidir, como diz a origem da palavra, é “cortar fora”, ou seja, eu opto por algo e declino de outra coisa. E aí que a tal procrastinação entra: é mais fácil atribuir a terceiros ou não se envolver com algo, por não querer um posicionamento que possa, por exemplo, desagradar alguém.

Os riscos trazem medo, pois envolvem mudança, e isso pode ser uma fonte de ansiedade também. Para tanto, avaliar e confiar em suas decisões será parte desse processo, bem como saber lidar com riscos e fracassos, o que nem todos querem ou conseguem lidar.

Muitas decisões passam por caminhos emocionais anteriormente já seguidos e nem sempre bem-sucedidos: porém, essas situações não podem nos limitar e nos referenciar eternamente. Sou refém das variáveis da vida ou prefiro assumir as responsabilidades das minhas escolhas?

Leia mais:
.: Perdoar é tomar a decisão de começar uma vida nova
.: Vença o medo diante das escolhas
.: O perigo das escolhas provisórias
.: Qual o valor das nossas escolhas?

Elaine Ribeiro dos Santos

Elaine Ribeiro, Psicóloga Clínica e Organizacional, colaboradora da Comunidade Canção Nova.
Blog: temasempsicologia.wordpress.com
Facebook: elaine.ribeiropsicologia Twitter: @elaineribeirosp

Madre Teresa

“Quando condenamos uma pessoa ficamos sem tempo para amá-la”.- Madre Teresa de Calcutá, a santa dos pobres!

Calcutá

© Célia Moura

Biografia, Poesia, Pensamentos, Prosa Poética, Obras Publicadas, Projectos Literários

Relatos desde mi ventana

Sentimientos, emociones y reflexiones

Violeta López

violetalc01@gmail.com

Deixe escapar a emoção

Fabiana Oliveira

Tatyanna Gois

little ginger girl

Bastidores da Escrita

escritores rumo à publicação

Oh kah

por Verônika Leicam

As Teorias da Elsa

Um blog que pretende motivar, inspirar, informar e dar a conhecer sítios e lugares surpreendentes.

Vovente by: Jessica Pereira

Um pedaço do meu coração está em você.

seismaisdois

um blog sobre tudo feito por alguém que não sabe nada

EscreViver

"Eu escrevo para os outros existirem", José Luís Peixoto

Dezassete

Lifestyle blog

Ostjen

Porque a vida é muito mais interessante que a ficção.

Antes de Adormecer

Sobre amor e outras coisas

Um Palco de Teatro

Poesias, Textos, Frases e Reflxões sobre o amor e a vida.

frascodememorias.wordpress.com/

“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

pqnaojoy.wordpress.com/

"Tenha coragem e externalize seus sonhos. Acreditar é persuasivo e causa efeito."

Blog Caderno da Lua

#ApoioAutoresNacionais

Meio pão e um livro

Eu, se tivesse fome e estivesse à míngua na rua, não pediria um pão; pediria meio pão e um livro. (García Lorca)

O Outro Lado

Porque o melhor lado é o dentro

Compasso Lento

Leia com passo lento...

Devir

O que vejo, sinto e imagino em letras.

Clau Assi, poesias.

Sonhos, realidades e poesias.

EscreViver

"O que é mais difícil não é escrever muito; é dizer tudo, escrevendo pouco" [Júlio Dantas]

El Diver

a vida em todas as suas divergências

o meu sofá cinzento

espaço reservado a desabafos tipo assim um bocadinho "crazy" "or not"

Vida de Mil Fases

São fases da vida,elucubrações variadas. É um túnel do tempo, é uma realidade inventada.

Pensamentos In_Versos

No vício da escrita, encontram-se os ditos, os amantes, os gritos internos e todos os avessos...

Trotamundos

by Tati Sato

Simplesmente Lola

Eu e minhas aventuras

Bloco de notas

Escrever é como uma terapia, um socorro, uma esperança. Estando feliz, apaixonada, triste, decepcionada escrevo, pois sei que lendo-me consigo me entender. Escrever é como fugir para um mundo secreto, meu universo particular onde não é proibido sonhar.

Minha Vida Comigo

Um câncer foi o gatilho que me fez querer viver a vida como protagonista. Vânia Castanheira - Medical, Health & Wellness Coach - ACC/ICF

China na minha vida

Como é a vida de um estrangeiro na China, a cultura e os costumes desse país.

Catarina voltou a escrever

com vírgulas, pontos e dúzias de reticências...

Mariel Fernandes

As vistas do meu ponto

%d blogueiros gostam disto: