MÃE

Imagemby Cora Coralina

Renovadora e reveladora do mundo

A humanidade se renova no teu ventre.
Cria teus filhos,
não os entregues à creche.
Creche é fria, impessoal.
Nunca será um lar
para teu filho.
Ele, pequenino, precisa de ti.
Não o desligues da tua força maternal.
Que pretendes, mulher?
Independência, igualdade de condições…
Empregos fora do lar?
És superior àqueles
que procuras imitar.
Tens o dom divino
de ser mãe
Em ti está presente a humanidade.

Mulher, não te deixes castrar.
Serás um animal somente de prazer
e às vezes nem mais isso.
Frígida, bloqueada, teu orgulho te faz calar.
Tumultuada, fingindo ser o que não és.
Roendo o teu osso negro da amargura.

* O que acham da sugestão da poetisa???!!!

Anúncios

8 responses to this post.

  1. Qualquer coisa que se fale bem de mãe, eu tô assinando embaixo, meu querido rs

    Kisu!

    Curtir

    Responder

  2. A mulher na história é um rio que desaguou para o mar. Sempre gostei da minha independência, mas não vou mentir, se pudesse, teria deixado tudo pra poder criar meus filhos e me dedicar inteiramente à eles. Teria permanecido nas margens, desde que isso não me fosse um tormento. Infelizmente a realidade de muitas não permite isso, e para aquelas as quais permite, é realmente lamentável que em vez de criar os filhos, deleguem essa tarefa para terceiros. Ler Ana é sempre um prazer! Gr. Bj. Manô!

    Curtir

    Responder

    • Cris, seu comentário é bastante pertinente. Postei isso com a Cora Coralina mais no intuito de “provocar” as opiniões a dizerem que os tempos mudaram, como com um bom jogo de cintura você o fez. A Cora Coralina está perfeita para o tempo dela. Nós, infelizmente seguimos uma realidade outra. Se está certa ou errada, não sei. Daqui 50 anos vamos poder ver o resultado de educar filhos por “chocadeira”, nõa é?!
      Um beijo,
      Manô

      Curtir

      Responder

  3. Manoel,
    Não direi o que acho da sugestão da poetisa, mas sei que o importante para qualquer pessoa, é realizar-se. Seja essa realização na “independência” que providencia um emprego e o sucesso profissional, seja ela no lar, rodeada dos seus pequenos.
    Mas, em nenhum caso, um ou outro devem tornar-se uma reclusão imposta pela sociedade supostamente “bem pensante”. Cabe a cada um, incluindo a cada mãe, encontrar-se por si próprio e não pelo que lhe é imposto.
    Abraço!

    Curtir

    Responder

  4. Ah esse velho novo assunto; o “ser ou não ser” do sexo frágil: ser mãe, ser mulher, trabalhar, dirigir, pagar as contas… e (será?) beber, falar palavrão vez ou outra, entender um pouco de mecânica e futebol, querer um pouco mais de prazer, ser um pouco mais egoísta (egoísta?), menos servil, querer que ajudem a preparar o jantar e lavar a louça e, eventualmente, ter de deixar os filhos na creche! Sou mãe de 3 filhos: a melhor parte de mim!!! Mas não sou beata, nem beatificável: não dou conta de tudo e tenho arroubos de egoísmo! Pertenço a essa “espécie ainda envergonhada, mas sou desdobrável, como descreve Adélia Prado:

    Com licença poética

    Quando nasci um anjo esbelto,
    desses que tocam trombeta, anunciou:
    vai carregar bandeira.
    Cargo muito pesado pra mulher,
    esta espécie ainda envergonhada.
    Aceito os subterfúgios que me cabem,
    sem precisar mentir.
    Não sou feia que não possa casar,
    acho o Rio de Janeiro uma beleza e
    ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
    Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.
    Inauguro linhagens, fundo reinos
    — dor não é amargura.
    Minha tristeza não tem pedigree,
    já a minha vontade de alegria,
    sua raiz vai ao meu mil avô.
    Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
    Mulher é desdobrável. Eu sou.

    Curtir

    Responder

MUITO BOM COMPARTILHAR COM VOCÊ !

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

© Célia Moura

Biografia, Poesia, Pensamentos, Prosa Poética, Obras Publicadas, Projectos Literários

Relatos desde mi ventana

Sentimientos, emociones y reflexiones

Violeta López

violetalc01@gmail.com

Deixe escapar a emoção

Fabiana Oliveira

Tatyanna Gois

little ginger girl

Bastidores da Escrita

escritores rumo à publicação

Oh kah

por Verônika Leicam

Cara de Cotia

Meio divertida, por vezes filosófica, sempre confusa!

As Teorias da Elsa

Um blog que pretende motivar, inspirar, informar e dar a conhecer sítios e lugares surpreendentes.

Vovente by: Jessica Pereira

Um pedaço do meu coração está em você.

seismaisdois

um blog sobre tudo feito por alguém que não sabe nada

EscreViver

"Eu escrevo para os outros existirem", José Luís Peixoto

Dezassete

A felicidade passa por aqui

Vida Legal

Porque a vida é muito mais interessante que a ficção.

Antes de Adormecer

Sobre amor e outras coisas

Um Palco de Teatro

Poesias, Textos, Frases e Reflxões sobre o amor e a vida.

frascodememorias.wordpress.com/

“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Blog Caderno da Lua

#ApoioAutoresNacionais

Meio pão e um livro

Eu, se tivesse fome e estivesse à míngua na rua, não pediria um pão; pediria meio pão e um livro. (García Lorca)

O Outro Lado

Porque o melhor lado é o dentro

Compasso Lento

Leia com passo lento...

Devir

O que vejo, sinto e imagino em letras.

Clau Assi, poesias.

Sonhos, realidades e poesias.

EscreViver

"O que é mais difícil não é escrever muito; é dizer tudo, escrevendo pouco" [Júlio Dantas]

El Diver

a vida em todas as suas divergências

o meu sofá cinzento

espaço reservado a desabafos tipo assim um bocadinho "crazy" "or not"

Vida de Mil Fases

São fases da vida,elucubrações variadas. É um túnel do tempo, é uma realidade inventada.

Pensamentos In_Versos

No vício da escrita, encontram-se os ditos, os amantes, os gritos internos e todos os avessos...

Trotamundos

by Tati Sato

Simplesmente Lola

Eu e minhas aventuras

Bloco de notas

Escrever é como uma terapia, um socorro, uma esperança. Estando feliz, apaixonada, triste, decepcionada escrevo, pois sei que lendo-me consigo me entender. Escrever é como fugir para um mundo secreto, meu universo particular onde não é proibido sonhar.

Minha Vida Comigo

Um câncer foi o gatilho que me fez querer viver a vida como protagonista. Vânia Castanheira - Medical, Health & Wellness Coach - ACC/ICF

%d blogueiros gostam disto: