35 ANOS PARA SER FELIZ

Imageby Martha Medeiros (1998)

Uma notinha instigante na Zero Hora de 30/09: foi realizado em Madri o Primeiro Congresso Internacional da Felicidade, e a conclusão dos congressistas foi que a felicidade só é alcançada depois dos 35 anos. Quem participou desse encontro? Psicólogos, sociólogos, artistas de circo? Não sei. Mas gostei do resultado.

A maioria das pessoas, quando são questionadas sobre o assunto, dizem: “Não existe felicidade, existem apenas momentos felizes”. É o que eu pensava quando habitava a caverna dos 17 anos, para onde não voltaria nem puxada pelos cabelos. Era angústia, solidão, impasses e incertezas pra tudo quanto era lado, minimizados por um garden party de vez em quando, um campeonato de tênis, um feriadão em Garopaba. Os tais momentos felizes.

Adolescente é buzinado dia e noite: tem que estudar para o vestibular, aprender inglês, usar camisinha, dizer não às drogas, não beber quando dirigir, dar satisfação aos pais, ler livros que não quer e administrar dezenas de paixões fulminantes e rompimentos. Não tem grana para ter o próprio canto, costuma deprimir-se de segunda a sexta e só se diverte aos sábados, em locais onde sempre tem fila. É o apocalipse. Felicidade, onde está você? Aqui, na casa dos 30 e sua vizinhança.

Está certo que surgem umas ruguinhas, umas mechas brancas e a barriga salienta-se, mas é um preço justo para o que se ganha em troca. Pense bem: depois dos 30, você paga do próprio bolso o que come e o que veste. Vira-se no inglês, no francês, no italiano e no iídiche, e ai de quem rir do seu sotaque. Não tenta mais o suicídio quando um amor não dá certo, enjoou do cheiro da maconha, apaixonou-se por literatura, trocou sua mochila por uma Samsonite e não precisa da autorização de ninguém para assistir ao canal da Playboy. Talvez não tenha se tornado o bam-bam-bam que sonhou um dia, mas reconhece o rosto que vê no espelho, sabe de quem se trata e simpatiza com o cara.

Depois que cumprimos as missões impostas no berço — ter uma profissão, casar e procriar — passamos a ser livres, a escrever nossa própria história, a valorizar nossas qualidades e ter um certo carinho por nossos defeitos. Somos os titulares de nossas decisões. A juventude faz bem para a pele, mas nunca salvou ninguém de ser careta. A maturidade, sim, permite uma certa loucura. Depois dos 35, conforme descobriram os participantes daquele congresso curioso, estamos mais aptos a dizer que infelicidade não existe, o que existe são momentos infelizes. Sai bem mais em conta.

* A Martha tem razão, ou não. O que acham???!!!

Anúncios

12 responses to this post.

  1. COncordo sim…

    Kisu!

    Curtir

    Responder

  2. Manoel,
    Sou da opinião que a verdade deste artigo vai depender de cada pessoa. Se o adolescente ainda se procura, conheço muitos adultos que chegaram aos 30 ou 40 infelizes e saudosos da sua juventude.
    Mas este artigo me recordou um poema (que se tornou canção) em francês e que pretende que a vida começa aos 60 anos, quando se aprendeu de cor todos os atalhos da felicidade 🙂
    Grande abraço!

    Curtir

    Responder

    • Dulce, que bonitinha essa sua lembrança. Concordo com o poema francês. Só espero que com essa nova experiência o pessoal não adie a maturidade e tenhamos que encontrar outro francês para fazer um poema para a vida começar aos oitenta, kkk!
      Brincadeira! Adorei seu comentário.
      Um beijo

      Curtir

      Responder

  3. Manoel, você traz sempre temas de interesse comum.
    Eu penso mesmo que a vida tem momentos de felicidade.
    Felicidade é aquele momento em que a gente se sente completo, e estes momentos só duram até a alma ambicionar algo mais,
    seja material, espiritual, aquele vazio inexplicável, a preocupação com quem amamos, a saudade de quem esta ausente.
    Até mesmo, a miséria do mundo, a tristeza do vizinho, do animal abandonado, são coisas que me abalam, ao ponto de me fazer incompleta… por isso, eu acho, que felicidade é pra quem é muito egoísta.
    abraços

    Curtir

    Responder

    • Alcione, concordo com você e achei muito interessante o seu ponto de vista. Eu acho egoísta uma palavra meio forte para isso. Eu diria que é por isso que nunca somos completamente felizes e só seremos quando tudo se equilibrar. Adorei seu comentário. Você é muito inteligente.
      Abraços

      Curtir

      Responder

  4. Eu já passei dos 35 e ainda não consigo dizer que sou plenamente resolvida, mas uma coisa é certa… SOU MUITO FELIZ! Afinal, quem disse que para se ter felicidade precisa ser “resolvida”? hehe.

    Curtir

    Responder

  5. Pra mim as duas existem, mas sempre prevalece aquela que alimentamos mais. Gr. Bj.!

    Curtir

    Responder

  6. Hehe engraçadinho esse texto. Olha, tirando que na vida não há receita de bolo, ou seja, nem todos seguem o mesmo caminho, creio que ela tem um funo de razão. Eu to nessa fase “o que fazer da minha vida” e, gente, que coisa mais complicada. Realmente espero estar assim tão bem resolvida em todos os aspectos quando chegar aos 35.

    Bom domingo pra vc, meu amigo querido.
    Beijos

    Curtir

    Responder

MUITO BOM COMPARTILHAR COM VOCÊ !

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Antes de Adormecer

Sobre amor e outras coisas

Um Palco de Teatro

Poesias, Textos, Frases e Reflxões sobre o amor e a vida.

Sopa de Letras

Literatura, Cinema, Música, Educação e outros temas.

ESTRANHAMENTE

#poesia #crônica #fotografia

versaopaulo

cultura e história da cidade

Vida Legal

Porque a vida é muito mais interessante que a ficção.

imperfeitoparaiso

Aleatoriedades

Blog do Óbvio

Assuntos Diversos e Diversos Assuntos

A DOSE DO DIA

O dia mais bem humorado da semana ;)

frascodememorias.wordpress.com/

“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Meio pão e um livro

Eu, se tivesse fome e estivesse à míngua na rua, não pediria um pão; pediria meio pão e um livro. (García Lorca)

O Outro Lado

Porque o melhor lado é o dentro

Abstract Art by Sharon Cummings

An artist with an irresistible urge to create!

Compasso Lento

Leia com passo lento...

Devir

O que vejo, sinto e imagino em letras.

Posso Dar Uma Dica?

Dicas para facilitar o dia a dia

essa tal de Alemanha

Crônicas do dia a dia

Letíciando

por Letícia Siller

Clau Assi, poesias.

Sonhos, realidades e poesias.

EscreViver

"O que é mais difícil não é escrever muito; é dizer tudo, escrevendo pouco" [Júlio Dantas]

It's a very deep sea

Um site sobre palavras

El Diver

a vida em todas as suas divergências

o meu sofá cinzento

espaço reservado a desabafos tipo assim um bocadinho "crazy" "or not"

Vida de Mil Fases

São fases da vida,elucubrações variadas. É um túnel do tempo, é uma realidade inventada.

Pensamentos In_Versos

No vício da escrita, encontram-se os ditos, os amantes, os gritos internos e todos os avessos...

Trotamundos

by Tati Sato

Simplesmente Lola

Eu e minhas aventuras

Bloco de notas

Escrever é como uma terapia, um socorro, uma esperança. Estando feliz, apaixonada, triste, decepcionada escrevo, pois sei que lendo-me consigo me entender. Escrever é como fugir para um mundo secreto, meu universo particular onde não é proibido sonhar.

Minha Vida Comigo

Um câncer foi o gatilho que me fez querer viver a vida como protagonista. Vânia Castanheira - Medical, Health & Wellness Coach - ACC/ICF

Catarina voltou a escrever,

com vírgulas, pontos e dúzias de reticências...

Mariel Fernandes

A vista do meu ponto e outros pontos de vista

This German Life

um blog sobre nós dois (três) e a Alemanha

Diário de uma Teimosa

dicas de Estocolmo e da vida na Suécia

Eis a questão ...

Um blog realmente pessoal, que guarda um pouquinho de tudo aquilo que a autora gosta, faz, inventa, cozinha, desenha. Por isso, não precisa fazer sentido, não tem pretensões de seguir uma linha ou chegar a algum lugar específico: apenas existe para registrar, guardar e compartilhar um pouco dessas coisas de Olivia.

Sacudindo as ideias

Exercícios literários, escrita solta, pensamentos...

%d blogueiros gostam disto: