DESENCONTROS DE GERAÇÕES

Imagemby Elaine Ribeiro, Psicóloga Clínica e Organizacional

Quando percebemos mãe e filha adolescente em relacionamento é interessante notar que temos duas mulheres frente a frente vivendo momentos de vida totalmente diferentes. A mãe já passou por tudo aquilo que sua filha passará e isso fará a diferença na relação! Conviver com o adolescer é algo bastante marcante e mexe consideravelmente com a vida das famílias; a mãe, em especial, é aquela que acompanha bem de pertinho tais mudanças, não apenas as corporais, mas as emocionais também.

 

A filha está abandonando o corpo de menina para o corpo de mulher, despertando assim sua sexualidade. A jovem procura independência, liberdade, menos controles dos pais, mesmo não tendo qualquer experiência a este respeito. O medo (sim, o medo!) existe, mas a jovem dificilmente confessará seus temores aos pais. Misturam-se a impulsividade, a agressividade, a instabilidade e a contradição. Tantos sentimentos diferentes e todos eles misturados.

 

Quais são os comportamentos esperados nesse período?

 

A jovem rivaliza com a mãe, desafia as convenções, estabelece seus padrões de conduta. A jovem fala sobre coisas que não ficam claras e também não dá clareza sobre nada. É aí que entra a figura da mãe como aquela que, muitas vezes, terá de traduzir o que a filha diz; as mensagens nem sempre são claras: pede perdão ou pede ajuda “entre palavras, nas entrelinhas….” A filha exige que seja tratada como “gente grande”, mas ainda não se esqueceu dos seus comportamentos infantis. É como se a jovem vivesse o luto pelo corpo perdido, pela transição para uma fase tão desejada, mas ao mesmo tempo, tão assustadora; e, muitas vezes, não sabe para onde ir, e os pais, a mãe em especial, muitas vezes, sentem-se incapazes de dar o suporte necessário.

 

Vamos lembrar de um ponto importante: como tratar as emergências adultas e o tratamento que muitas vezes ela assim exige, com momentos, necessidades e atitudes ainda tão infantis?

 

É o desencontro entre a própria geração! A jovem que vê desabrochar o corpo de adulta, as pressões de um mundo adulto, mas que muitas vezes, ainda não é madura o suficiente para perceber-se assim ou para se reposicionar em sua idade.

 

Parece uma “missão impossível”? Muitas vezes, sim. Os pais, a mãe em especial, precisam mostrar interesse, mas não invadir. Porém, nessa tentativa, muitas vezes se afastam da jovem, que, numa fase de tanta influência por terceiros, pode se deixar levar por referenciais nada positivos. Fique de olho!

 

É importante pensar que adolescentes, homens e mulheres, fazem seus pais “reviverem” a sua própria história como jovens. Mães, muitas vezes, revivem a adolescência, quando confrontadas com a jovialidade dos filhos. Contudo, para a mãe, o que se percebe é uma outra fase de vida: o amadurecimento e, por vezes, estão vulneráveis, sensíveis pela valorização da linda filha juvenil, pois podem estar perdendo a beleza, aquela juventude que para elas deixa de existir, mas, na verdade, se renova, é a beleza de cada fase de nossa vida!

 

Por fim, os papéis que se misturam, as idades com seus fatores emocionais específicos, todos entrelaçados numa única teia, vão se confundindo, mas ao mesmo tempo se solidificando. Reações muitas vezes inconscientes são assim vividas, mas especialmente, a relação mãe-filha/filho-pais deve ser coberta de muita compreensão, amor e receptividade nessa fase tão importante da vida!

* Devemos acompanhar os filhos???!!!

Anúncios

24 responses to this post.

  1. Ainda bem que nunca tive essa rivalidade com a minha mãe. Mas não fui a filha preferida (e nunca quis ser), mas olha… conheço gente que mendiga amor de mãe com uma força exacerbada… Me dá até dó. Enquanto a mãe nitidamente prefere o outro filho. Tão triste..

    Kisu!

    Curtir

    Responder

  2. Olá, Manoel! Ótimo texto!
    Me lembrou de Gilmore Girls, justamente a foto de início. 🙂
    Tenho sorte por ter uma mãe que me entende e é próxima, além de amiga. Acho que isso faz diferença em qualquer decisão que eu tomo na minha vida!

    Beijo!

    Curtir

    Responder

  3. este texto espelha bem a importância dos pais … são os meus “pilares”, em particular, confesso que a admiração pela Mãe cresceu exponencialmente com o tempo… hoje, quando olho para ela, simplesmente desejo ter a sua força… um beijinho Manoel e obrigada pela partilha 🙂

    Curtir

    Responder

  4. Manoel, gostei bastante deste post. Essa fase é muito conturbada tanto para os pais quanto para os filhos. Por mais que se leia e tenha informação, a cada geração teremos questões que irão nos surpreender. O adolescente é um hoje, outro na próxima geração. Temos que manter nossa capacidade e aprendizado sempre viva.
    Grande abraço e parabéns pelo post!

    Curtir

    Responder

  5. Posted by Lola Maria on 6 de fevereiro de 2014 at 17:22

    Mano,
    Revivi meus tempos sob o teto de minha mãe. Nossa como os nossos pensamentos mudam a respeito de tudo e todos com o passar dos anos. Hoje eu sei que tudo que minha Mãe fez era apenas com um único objetivo de me proteger de tudo aquilo que ela já havia experimentado e não foi uma experiência das melhores.
    Mas o jovem com toda a sua impulsividade, acha que pode tudo, sabe tudo. Coitado de nós quando jovens. Iludidos com um mundo que mais tarde tentaria nos engolir. Se tivesse seguido os conselhos de meus pais no tempo certo. Com certa a vida seria mais leve com muitos de nós.. Comigo com certeza. Posso dizer que se existe algo que me arrependa nesta vida é isto não ter ouvido Pai e Mãe. E se existe algo que eu aconselharia aos jovens de hoje seria isto também: Ouça Pai e Mãe. Conselhos de Pai e Mãe é igual usar filtro solar. Um dia lamentamos por não ter feito. (meio bobo o exemplo? Hum.. espero que não).
    Amigo um beijo e um abraço bem apertado.

    Curtir

    Responder

    • Lola, gostei do seu comentário e é geral esse arrependimento, mas o que foi dito na época ficou gravado e isso é que importa. Como humanos a gente não acerta sempre e tem que fazer umas bobagens senão não tem graça, não é?! Rs…rs. Seu exemplo não foi bobo não. Eu sou um cara que hoje tenho que fugir do sol por nunca ter usado o tal do protetor (o pior é que continuo não usando. Detesto aquela “meleca” oleosa na minha pele – “eca!”).
      Um beijo com carinho,
      Manô

      Curtir

      Responder

  6. Oi Manoel, vim retribuir sua visita no meu blog 🙂
    Posso dizer que também gostei muito do seu cantinho e também vou segui-lo.
    Com relação ao post, poxa a adolescência é uma fase difícil mesmo. Minha irmã tem 15 anos agora, e é complicado lidar com ela. Eu como irmã fico sempre com medo de ser a segunda mãe chata mas ao mesmo tempo não posso deixar de tentar ensiná-la algo. Minha adolescência não foi fácil. Não que eu tenha sido muito rebelde, tive sim problemas típicos mas nada grave. Porém, não sei se minha mãe estava preparada para ser mãe de uma adolescente. Até hoje sinto que não somos muito próximas uma da outra.

    Curtir

    Responder

    • Vanessa, fico feliz por você estar presente e comentando aqui no nosso cantinho do Óbvio.

      Essa fase da adolescência tem que ser acompanhada com paciência e persistência e os conflitos são inevitáveis. Na teoria é tudo muito bonito, mas na hora a gente está arriscado a explodir (tanto o adolescente como os pais). O importante é conversar bastante mesmo que entre por um ouvido e saia pelo outro, não é ?!
      Vanessa, volte por aqui sempre que puder.
      Um beijo

      Curtir

      Responder

  7. Manô,

    Hoje, depois de muitas chuvas e trovoadas, posso dizer que temos alcançado, minha filha e eu, um nível de maturidade e cumplicidade muito prazeroso. Graças a Deus e também a algumas preciosas mãos nas nossas atadas ao longo do caminho. Mas essas tempestades são, apesar de doloridas, necessárias, pois com elas aperfeiçoamos esse vínculo eterno em nossas vidas. Gr. Bj.!

    Curtir

    Responder

  8. Manoel,
    É realmente uma fase muito difícil e que pode ocasionar rupturas graves e até irreparáveis. Achei o acompanhamento da minha filha durante esses anos de transição entre a infância e a idade adulta os mais difíceis de gerir. E quando pensamos que o pior está para trás, resta sempre ainda algo que ficou suspenso e que anda precisa ser resolvido…
    Porém, penso que com muito amor e paciência, com compreensão e tolerância, tudo é possível. O apoio de terceiros também pode ser importante quando a relação se complica a tal ponto que pode ficar comprometida para sempre…
    Excelente artigo!
    Abraço!

    Curtir

    Responder

    • Dulce, eu também acho exatamente isso e cada jovem que a gente tem intimidade nessa fase da vida tem uma reação diante das modificações decorrentes. Então o segredo é muita paciência e compreensão mesmo. Adorei o seu comentário.
      Grande abraço

      Curtir

      Responder

  9. MInha adolescencia foi quase tranquila e, o quase em questão é porque sofri uma perda que mudou muito a jovenzinha quieta que eu era. Mudei de pais, de casa – mudei a maneira como eu via as coisas a minha volta. Fiquei ainda mais fechada, mas quieta e menos disposta a dar pelo outro e isso foi o grande fator diferenciador em minha história.
    Mas para com a minha mãe eu sempre tive uma amizade muito forte. Eramos amigos de diálogo no começo da noite, antes de ir se deitar, pela manhã e durante os dias quando ela se precipitava a mim com suas aventuras inesperadas. Certa vez ela deixou de lado seu mundo e me “obrigou” a deixar o meu apenas para passar uma tarde em Barcelona visitando feiras e assistindo teatro ao ar livre.
    Acho que as relações, em qualquer epoca da vida devem ser pautadas por um objeto simples: o respeito pelo individio que se criança, adolescente ou adulto são seres humanos e precisam ser respeitados para que respeitem aos outros, mas as vezes falta apenas esse principio e a vida se transforma nesse castelo de areia.
    Lembro de ouvir meu tio (com quem morei depois dos treze anos) dizer a minha prima “eu sou seu pai, sou mais velho – me respeite” – mas o caminho inverso não funcionava desse jeito, logo, as desavenças eram múltiplas. rs

    bacio

    Curtir

    Responder

    • Lunna, amiga querida. Super bacana o seu comentário e você diz algo muito importante. A gente só consegue ser respeitado se a gente respeitar. Respeito não se compra e nem se vende. Se consegue e isso é muito importante. Eu acho que tudo que trabalha com os sentimentos da gente tem que ser conseguido. Se eu a trato bem e com todo o respeito, não há como a recíproca não ser verdadeira.
      bacio (com carinho)

      Curtir

      Responder

      • É algo tão simples não é meu caro? Mas as pessoas complicam tudo. Aliás, é por isso que as coisas estão do jeito que estão. Todo mundo tem opinião, mas ninguém para pensar que a opinião do outro não precisa ser a mesma que a nossa e, tampouco o outro precisa concordar com aquilo que pensamos. Isso sem contar naquela mania do estar sempre certo. aff

        bacio

        Curtir

        Responder

        • Lunna, eu acho que falta um pouco de jogo de cintura. Perceba como é importante a gente se relacionar. Contar casos, ouvir casos, dar palpites (quando solicitado), pedir conselhos, enfim… fazer uma feijoada de amizades sem dar a menor importância se é amarelo, azul, preto, rico, pobre, metódico, desligado, excêntrico,…, sei lá. O importante é aquele encontrar-se e ver que cada um tem um pedacinho que falta na gente e que com aquele pedacinho do amigo(a) a gente tem uma vida melhor. A melhor coisa do mundo é o conviver com as coisas do mundo. Não é o notebook, o iPod/iPad, o carro zero,…, e outros bens materiais. Disso nós não precisamos. Eles facilitam as coisas mas tem um custo e a amizade,o amor…não tem custo e se tiverem não são verdadeiros. Enfim…
          bacio (no coração)

          Curtir

          Responder

  10. Me senti a mãe nesse texto, já que tenho duas irmãs adolescentes e vejo, muitas vezes, elas passarem por coisas que eu passei. Mas vou confessar um defeito, paciencia não é o meu forte rs. Preciso me trabalhar nisso.
    Beijos, amigo e boa noite

    Curtir

    Responder

MUITO BOM COMPARTILHAR COM VOCÊ !

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

PANELA EUROPÉIA

O mundo numa panela só

Um Palco de Teatro

Poesias, Textos, Frases e Reflxões sobre o amor e a vida.

Sopa de Letras

Literatura, Cinema, Música, Educação e outros temas.

versaopaulo

cultura e história da cidade

Vida Legal

Porque a vida é muito mais interessante que a ficção.

imperfeitoparaiso

Aleatoriedades

Blog do Óbvio

Assuntos Diversos e Diversos Assuntos

Poesias e Cia - Ana de Lourdes Teixeira

Sem pretensões... O único desejo é compartilhar com as pessoas o que escrevo.

A DOSE DO DIA

O dia mais bem humorado da semana ;)

Realize Criatividade

por Patrícia de Azevedo

frascodememorias.wordpress.com/

“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Blog Caderno da Lua

#ApoioAutoresNacionais

Meio pão e um livro

Eu, se tivesse fome e estivesse à míngua na rua, não pediria um pão; pediria meio pão e um livro. (García Lorca)

O Outro Lado

Porque o melhor lado é o dentro

Abstract Art by Sharon Cummings

An artist with an irresistible urge to create!

Compasso Lento

Leia com passo lento...

Devir

O que vejo, sinto e imagino em letras.

Posso Dar Uma Dica?

Dicas para facilitar o dia a dia

essa tal de Alemanha

Crônicas do dia a dia

Letíciando

por Letícia Siller

Clau Assi, poesias.

Sonhos, realidades e poesias.

EscreViver

"O que é mais difícil não é escrever muito; é dizer tudo, escrevendo pouco" [Júlio Dantas]

It's a very deep sea

Um site sobre palavras

Divergências Vitais

Memórias, dicas e "causos" de uma brasileira vivendo na Alemanha.

o meu sofá cinzento

espaço reservado a desabafos tipo assim um bocadinho "crazy" "or not"

Vida de Mil Fases

São fases da vida,elucubrações variadas. É um túnel do tempo, é uma realidade inventada.

Pensamentos In_Versos

No vício da escrita, encontram-se os ditos, os amantes, os gritos internos e todos os avessos...

Trotamundos

by Tati Sato

Simplesmente Lola

Eu e minhas aventuras

Bloco de notas

Escrever é como uma terapia, um socorro, uma esperança. Estando feliz, apaixonada, triste, decepcionada escrevo, pois sei que lendo-me consigo me entender. Escrever é como fugir para um mundo secreto, meu universo particular onde não é proibido sonhar.

Minha Vida Comigo

Um câncer foi o gatilho que me fez querer viver a vida como protagonista. Vânia Castanheira - Medical, Health & Wellness Coach - ACC/ICF

Catarina voltou a escrever,

com vírgulas, pontos e dúzias de reticências...

Mariel Fernandes

A vista dos meus pontos

This German Life

um blog sobre nós dois (três) e a Alemanha

Diário de uma Teimosa

dicas de Estocolmo e da vida na Suécia

Eis a questão ...

Um blog realmente pessoal, que guarda um pouquinho de tudo aquilo que a autora gosta, faz, inventa, cozinha, desenha. Por isso, não precisa fazer sentido, não tem pretensões de seguir uma linha ou chegar a algum lugar específico: apenas existe para registrar, guardar e compartilhar um pouco dessas coisas de Olivia.

Sacudindo as ideias

Exercícios literários, escrita solta, pensamentos...

%d blogueiros gostam disto: