Be Happy !!!

“Sé feliz a tu manera, porque la felicidad no es lo que te dicen los demás, sino lo que a ti te hace feliz.”

O QUE DETERMINA A PERSONALIDADE DE UMA PESSOA ?

by Elaine Ribeiro dos Santos

A personalidade de uma pessoa é definida pela totalidade dos traços emocionais

Quando falamos de personalidade, sempre pensamos no conjunto de traços emocionais de uma pessoa, ou seja, como ela reage emocionalmente diante de situações e comportamentos. Isso tem mais a ver quando falamos em caráter, ou seja, se aquela pessoa tem um bom ou mau caráter, como ela age diante da sociedade. No popular, é o tal “jeitão” da pessoa, ou seja, como ela percebe alguém e reage em relação ao outro.

O que determina a personalidade de uma pessoa
Foto: Wesley Almeida/cancaonova.com

Diferença entre personalidade e temperamento

São coisas diferentes por conceito e por evolução dos estudos da Psicologia. Quando nós falamos em personalidade, cada autor da Psicologia a define de uma forma.
Temperamento se dá como uma reação mais instintiva, biológica. Lá no começo desse estudo, quando pouca coisa se sabia das pessoas, começou-se a perguntar qual era a reação daquele indivíduo frente a determinadas características. Foi quando chegamos ao estudo do que melancólico, colérico, fleumático ou sanguíneo. Já na personalidade, temos um conjunto mais amplo [de fatores] que fala não só do jeito da pessoa ser, mas de uma série de definições de reação, característica e comportamento. É um conceito mais amplo do que o temperamento.

O que realmente significa “personalidade forte”?

Há traços nas pessoas que ficam mais evidentes. Um exemplo é quando falamos no colérico (vou usar a expressão do temperamento de novo): o que marca uma pessoa que tem esse temperamento? É alguém mais enraivecido, que reage de forma mais agressiva. Geralmente, a isso chamamos “personalidade difícil”. No entanto, a popularização desse termo é um erro de conceito.

Personalidade madura

Maturidade não é um sinal apenas de amadurecimento biológico, ou seja, se temos mais ou menos idade. Personalidade madura tem aquela pessoa que consegue viver seus processos emocionais; é aquela que tem, por exemplo, respostas adequadas para um momento, como o término do namoro. Há pessoas que, ao terminar um namoro, conseguem compreender a situação e partem para um outro relacionamento. Outras, no entanto, ficam com um sentimento de vingança e querem tirar satisfação, pois não conseguem entender emocionalmente o fim de uma relação. Diz-se, então, que essa pessoa é imatura no ponto de vista emocional, ou seja, ela não conseguiu ainda conviver e trabalhar com toda a sua emoção. Ela não consegue, por exemplo, sofrer pressão.

Entendemos que a maturidade passa por aspectos não só físicos, mas de compreensão das vivências emocionais e sociais. Nós não podemos nos esquecer de que somos seres biopsicossociais. Temos tudo aquilo que é o nosso biológico, psicológico e aquilo que é nosso convívio na sociedade. Podemos ser pessoas imaturas quando, por exemplo, não sabemos nos relacionar num grupo, conviver positivamente no trabalho, na escola ou no lazer.

O que forma a nossa personalidade?

A nossa personalidade é formada por infinitas situações, e uma delas é a nossa estrutura familiar, o berço onde nascemos, como fomos criados e inseridos na sociedade. Então, se somos pessoas muito expostas a festas e eventos, isso vai dizer se vamos nos tornar pessoas mais falantes, com um jeito mais extrovertido. Se alguém tem uma reação de birra, com uma criança que sempre busca ser agradada, percebemos que ela é um adulto que age como uma criança, ou seja, que só fica bom quando é do jeito dela, que só fica legal quando faz do jeito que ela gosta. Isso também é um traço e um conjunto de questões que vão formar a personalidade madura.

Outra questão que contribui muito para formar a nossa personalidade é a forma de aceitação do nosso “eu”. Primeiro, é preciso que nos aceitemos como somos, entretanto, hoje temos uma exigência da sociedade de seguir o modelo que ela nos impõe. Então, a primeira coisa é nos aceitarmos do jeito que somos, perfeito ou com limitações, para que nos entendamos. Temos de pensar também na aceitação daquilo que são as nossas dificuldades, mas há aqueles que não conseguem conviver com isso, o que é algo bastante complicado.

Problemas de uma pessoa imatura

Uma das maiores queixas, ao falarmos de problemas, é quando demitimos alguém. Aquele que se desliga, geralmente, é uma pessoa que tem problemas de relacionamento; não porque seja ruim tecnicamente ou não conheça aquilo que faz, mas alguém imaturo pode não conseguir se fixar num relacionamento nem estabelecer um bom vínculo no seu trabalho, pode não conseguir definir um destino profissional. É aquela pessoa que hoje faz culinária, amanhã faz desenho, depois desiste e faz administração; daqui a pouco, acha melhor abrir uma barraquinha de cachorro-quente. Mesmo assim, está sempre descontente. Esses são os principais problemas que podemos ter, porque vai chegar uma hora em que os grupos vão se fechando e a pessoa vai se sentindo muito só.

Em um relacionamento, que fatores devem ser observados para saber se o outro tem domínio sobre a sua afetividade?

Conhecer o outro é sempre um mistério. Principalmente, observar como é a sua forma de ser responsável. Ele é uma pessoa que cumpre o que diz? É alguém que se adapta fácil às situações ou tem dificuldade de mudar? Como é o humor dessa pessoa? Ela é constante ou oscila muito? Como é o afeto dela, como mostra que ama? Ela é alguém mais extrovertida? O importante é percebê-la socialmente, não só com você, porque, às vezes, existe o erro de olhar o relacionamento só “você e o outro”, mas não vivemos só “eu e o outro”, mas com amigos, com a sociedade.

Influência da razão e do sentimento

Nós podemos sempre reagir ou tomar decisões com base na razão ou na emoção. Se essa minha emoção é mal trabalhada ou mal canalizada, e eu pauto minha decisão apenas nisso, corro um grande risco de fazer algo errado. O que é importante nesse aspecto é se eu sou um ser apenas racional; e razão também é uma qualidade no ser humano. Há pessoas que são extremamente racionais, analíticas, perceptivas nesse ponto. Outras, são totalmente intuitivas. É importante observar isso, porque a razão tem uma influência, mas ela não é a única forma de reagirmos.

Elaine Ribeiro dos Santos

Elaine Ribeiro, Psicóloga Clínica e Organizacional, colaboradora da Comunidade Canção Nova.
Blog: temasempsicologia.wordpress.com
Facebook: elaine.ribeiropsicologia Twitter: @elaineribeirosp

MAQUIAGEM PARA ENXERGAR O AVESSO

by Márcia Ribas

A maquiagem vai além da cor, dos traços e da vaidade

Esses dias, um amigo maquiador teve uma ‘sessão sinceridade’ comigo e disse que achava um absurdo eu não usar maquiagem diariamente. Logo eu que prezo tanto o belo, a maquiagem, a autoestima, o cuidado com o corpo… Enfim, minha resposta foi automática: “Se você soubesse a correria que é o meu dia, com certeza não me diria isso. Não dou conta nem do que preciso fazer, imagine o resto!”.

Maquiagem pra enxergar o avesso
Arquivo pessoal

O tempo passou e o que ele me disse acabou fazendo sentido para mim. Entendi que separar dez minutos do dia para fazer uma maquiagem simples, mesmo em meio à correria, não é algo banal ou supérfluo, mas sim um benefício enorme para elevar e fortalecer a autoestima, algo primordial para enfrentar as surpresas da vida com mais sustância.

Percebo o olhar diferente das pessoas para mim quando estou maquiada. E o que mais me chama à atenção é a forma com que me olham, como se enxergassem uma força maior ou algo que não se pode definir, mas que está ali e que se expressa por meio da maquiagem, a qual, nesse momento, serve como um imã atraindo algo de dentro para fora.

A maquiagem vai além da cor, dos traços ou da vaidade. É imensamente mais que uma simples arma de sedução. Há nela um mistério inquieto e consistente, ao mesmo tempo, completamente sutil, e que nós mulheres temos o direito e dever de absorvê-lo. Não apenas pela técnica, mas com vontade de viver e de se conhecer. É maquiagem para enxergar o avesso.

Ao detectar isso, decidi perseguir essa imagem e descobri que a maquiagem é um meio e não simplesmente um fim. Externamente, ela evidencia a beleza natural; internamente, potencializa e traz para fora o que temos de melhor e talvez não tão conhecido nem trabalhado. A maquiagem tem importância e merece espaço considerável na vida de toda mulher. Portanto, ‘ganhe’ tempo com ela, vale a pena o investimento. Além disso, pense que sua beleza é única, portanto, pode e deve ser descoberta e aprimorada cada vez mais. Tudo isso pensando no seu bem, na possibilidade de assumir, cada vez mais e melhor, o lugar que já é seu; dessa forma fazer bem para as pessoas que estão ao seu lado, pois o efeito é concreto e contagiante.

Acredito que a beleza é algo interior, quase que totalmente desvinculada do exterior no sentido de que sem ela o que é bonito é fugaz, enquanto o que é belo é eterno. Assumi-la e exteriorizá-la trabalha a coragem e a liberdade de ser simplesmente o que se é. Permite tomar posse do próprio potencial, desenvolve e eleva a autoestima e abre um leque de possibilidades diante da vida. Lembrando que a vida é feita de ciclos e se constrói em meio às dúvidas e incertezas.

Enfrentar a vida com mais ou menos beleza é questão de escolha, e você tem razão em qualquer uma delas. É muito mais do que erro ou acerto, é a experiência de viver com liberdade, coragem e responsabilidade as consequências dos próprios atos.

Uma coisa é certa: a vida é bela independente dos acontecimentos. Constatar isso depende da leitura que se faz diante dos fatos. Quanto mais sua beleza interior estiver trabalhada e exteriorizada, mais possibilidade terá de enxergar a beleza da vida.

Pode soar como loucura da minha parte por conta também da correria do seu dia a dia, dos milhões de afazeres que eu sei que você tem, mas, mesmo assim, eu o convido a fazer o seguinte: separe 10 minutos do seu dia para se maquiar. Se você não tem o costume de usar nada, passe rímel e batom que já está de bom tamanho para começar. O resto é questão de tempo. Pense que essa maquiagem é para enxergar o avesso também.

Tente manter-se fiel no propósito e depois me conte o resultado. Pode ser?

Uma coisa é certa: hoje podemos ser melhores do que ontem, simplesmente porque há muito por se descobrir. Tenha um ótimo trabalho.

MaqMárcia Ribas

Márcia Ribas é formada em Comunicação Social (Rádio e TV), pós graduada em Counseling –  “a via intermediária entre o psicoterapeuta e o cabeleireiro”. Com o desejo de usar da beleza e autoestima para ajudar as pessoas no processo de uma busca autônoma de solução ou transformação em suas vidas, Márcia criou um blog que relata sua experiência ao emagrecer quarenta quilos através de reeducação alimentar e atividade física. Em seu blog relata como foi altamente impactada ao descobrir o valor de ser gente, única e digna de cuidado, atenção e amor próprio. Página pessoal da autora: marciaribas.com.br

 

OS MAIORES DESAFIOS DEPOIS DO DIVÓRCIO

by Judith Dipp

Sabemos quão difícil é carregar a cruz, e um divórcio indesejado é uma cruz gigante

É fato que hoje muitas pessoas se divorciam na tentativa de melhorar sua vida, porém não estão cientes de todos os desafios que terão de enfrentar e as consequências inevitáveis que esse processo traz consigo.

Na Bíblia, em Malaquias 2,16, Deus nos diz que odeia o divórcio. Em Mateus 19,60 vemos que o casamento é uma união permanente. “Muitos casamentos, que foram desfeitos por motivos triviais, poderiam ter sido salvos se marido e mulher tivessem sido capazes de se perdoar mais” (cf. Mateus 18,21-22).

Incertezas e angústias

Na justiça, o divórcio pode, muitas vezes, legalizar um estado de discórdia entre um casal, configurando um processo de disputa e exigindo a criação de novas estruturas de convivência doméstica, principalmente no que diz respeito a pais e filhos. Tanto no âmbito da Psicologia Clínica quanto no âmbito judicial, os estudos demonstram que os conflitos vividos pelos pais, antes e durante o processo de um divórcio, causam problemas de ajustamento nos filhos, que vivenciam o divórcio como um mistério que precisa ser explicado com clareza e objetividade. Todos os familiares vivenciam incertezas e angústias que ameaçam a estabilidade pessoal, exigindo a elaboração de uma perda.

Desafios do processo

Os desafios decorrentes desse processo são muitos. Os problemas financeiros, a criação de filhos, a solidão, muitas vezes esmagadora, e o sentimento de fracasso são alguns dos problemas e desafios que os divorciados enfrentam. Por mais que este tenha sido consensual, muitas vezes leva muito tempo para desaparecer.

Surgem sentimentos de perda, fracasso, desamparo, abandono, rejeição, medo, insegurança e incertezas circundando esses sujeitos, que afetam diretamente os novos arranjos familiares e que precisam ser trabalhados.

Seguem abaixo algumas dicas e os principais desafios que podemos enfrentar nesse processo:

Suporte

A primeira coisa aconselhável a ser feita é buscar um bom suporte espiritual e também psicológico. Nesse momento, é de fundamental importância poder contar com alguém de confiança, ter um espaço para compartilhar sua história e seus sentimentos, dividir as dores da perda e receber um suporte profissional para ajudá-lo a reestruturar a vida e se preparar para esse novo momento, onde muitos ajustes precisam ser feitos. Então, tanto a psicoterapia, na busca por um bom psicólogo, como também a direção espiritual feita por um bom sacerdote, podem constituir um ótimo ponto de partida. São meios bastante adequados para fortalecer a pessoa e também lhe proporcionar ferramentas para enfrentar com coragem os desafios que virão.

Vida financeira

Já diz o ditado que divórcio é sinônimo de prejuízo, e isso é um fato. Tudo o que o casal tinha antes será, agora, dividido por dois. A divisão das economias empobrece ambas as partes e isso é inevitável. Você vai perder reservas e aumentar os custos da sua vida. Portanto, deve estar preparado para isso.

Filhos

Visitas, pensão e educação. Não é preciso dizer que, muitas vezes, serão eles que arcarão com as duras consequências da separação dos pais. É preciso reservar tempo, com calma, para conversar e garantir a seus filhos que você os ama; sobretudo, explicar-lhes que eles não são os responsáveis pelo divórcio dos pais. Responda suas perguntas da forma mais sincera e objetiva possível, evite distribuir culpas e busque preservar e manter em harmonia a relação deles com o pai e a mãe. Continuar na mesma casa e manter a mesma rotina pode ajudar a também buscar uma boa rotina espiritual.

Amigos

Amigos são para sempre, mas a dura realidade é que, na separação, há também uma divisão natural daqueles com quem vocês mais conviviam enquanto casal. Por outro lado, é provável que o seu meio social mude naturalmente com o decorrer do tempo.

Moradia

Esse também pode ser um impasse entre o casal que se separa. Como a maioria dos processos caminha para que a guarda dos filhos seja compartilhada por ambos os genitores, ainda assim é comum que os filhos passem mais tempo com a mãe, que assume normalmente a rotina de escola, saúde, higiene, alimentação etc. Se isso não esbarrar em outros tipos de problemas, é aconselhável que a mãe permaneça no local de moradia anterior à separação, para que, dessa forma, altere-se o menos possível a rotina dos filhos. Num processo de divórcio consensual, a residência entra como objeto de partilha, mas pode ficar como “usufruto dos filhos” até que os mesmos atinjam a maioridade.

Identidade pessoal

Quem sou eu sem minha mulher, sem meus filhos ou marido? Essa pergunta pode rondar sua mente nos primeiros momentos depois de uma separação. Nesse aspecto, a ajuda de um bom profissional pode ser muito útil, para que, aos poucos, você possa recuperar de volta a sua identidade pessoal dentro desse novo modo de vida. Por isso, é importante ir atrás de referências, antigas ou novas, que venham reforçar sua identidade .
Vida familiar

Quando um casal decide se separar, há também um ajuste importante na vida dos familiares envolvidos direta ou indiretamente. É muito importante, nesse momento, voltar-se, um pouco mais, para os “seus familiares”, que podem ser, grande ajuda e suporte, sobretudo nas fases iniciais.

Outro aspecto importante será redefinir como ficarão as relações com a família do ex-cônjuge, com quem, muitas vezes, os laços são muito estreitos e já se considera parte da sua família também. Aos poucos, um novo formato de relação surgirá, mas procure sempre manter o vínculo dos avós e tios com seus filhos.

Estilo de vida e estado civil

Aqueles hábitos que você tinha antes de separar-se, como sua vida social e atividades de lazer, por exemplo, agora serão diferentes. Você tomará muitas decisões sozinho, a não ser as que envolvem seu tempo com seus filhos. Também pode acontecer, em alguns casos, que a mulher fique em tempo integral com os filhos, o que, certamente, acarretará sobrecarga, exigindo que ela se desdobre para dar conta do recado.

Alguns homens podem sentir-se novamente como na época de solteiros e ter o desejo de viver como tal, saindo com amigos solteiros, buscando namoricos e relações passageiras, até como forma de reviver os bons tempos antes do casamento. O fato é que a vida mudou e os tempos são outros, o matrimônio marca profundamente a vida de uma pessoa, e para nós cristãos é um laço indissolúvel. A não ser que um Tribunal Eclesiástico declare nula essa união.

Para muitas mulheres, pode ser até humilhante assumir perante a sociedade e a Igreja seu novo status como “divorciada”, principalmente se em seu coração não desejava a separação. Esse também é um tema que deve ser tratado com todo cuidado junto a um terapeuta ou diretor espiritual.

Atividades sociais

Casais normalmente têm atividades sociais diferentes de pessoas solteiras, sobretudo casais com filhos. Nessa nova condição de vida, tanto o homem com a mulher levarão algum tempo até ajustar novamente sua vida social, a escolher as companhias para sair, talvez encontrar pessoas que estejam no mesmo estado de vida.

Em alguns momentos, os filhos estarão presentes; em outros, você estará sozinho.
No início, pode parecer estranho ou até mesmo fazer com que você se sinta deslocado em determinado ambiente. Aos poucos, as coisas tendem a se definir e você se adaptará a esse novo contexto.

Nova união

É muito comum que, nesse momento, logo após a separação, muitas pessoas venham dar conselhos; um deles é que a melhor forma de esquecer um amor é encontrar outro.

“São numerosos hoje, em muitos países, os católicos que recorrem ao divórcio segundo as leis civis e contraem civilmente uma nova união. A Igreja, por fidelidade à palavra de Jesus Cristo – ‘Todo aquele que repudiar sua mulher e desposar outra comete adultério contra a primeira; e se essa repudiar seu marido e desposar outro comete adultério’ (Mc 10,11-12) –, afirma que não pode reconhecer como válida uma nova união se o primeiro casamento foi válido. Se os divorciados tornam-se a casar com outra pessoa, mesmo que no civil, ficam numa situação que contraria objetivamente a lei de Deus. Portanto, não podem ter acesso à comunhão eucarística enquanto perdurar essa situação. Pela mesma situação, não podem exercer certas responsabilidades eclesiais.

A reconciliação pelo sacramento da penitência só pode ser concedida aos que se mostram arrependidos por haver violado o sinal da aliança e fidelidade a Cristo, e se comprometem a viver uma continência completa.”

Matrimônio só deixa de existir quando sua nulidade é declarada, o que só pode ser feito por um Tribunal Eclesiástico.

Vida de oração e Igreja

Assim como foi dito no início, ter um bom terapeuta para acompanhá-lo nesse processo e um bom diretor espiritual são de fundamental importância, mas isso deve ser reforçado com uma vida constante de oração e frequência assídua à igreja, às Missas e aos sacramentos.

A Igreja, nesse momento, mais do que nunca é Mãe e deve acolher o divorciado. Sabendo da grande dificuldade que se avizinha, compadecendo-se da dor, a Igreja está sempre presente para perdoar e acolher, mesmo em caso de queda.

Sabemos quão difícil é carregar a cruz, e um divórcio indesejado é uma cruz gigante. Talvez essa seja uma oportunidade para um testemunho único, uma prova de amor a Deus maior que tudo, quando renunciamos ao amor a nós mesmos por uma prévia promessa feita a Ele, a do matrimônio. Então, no momento que conseguirmos olhar esse sofrimento como a cruz que nos assemelha a Cristo, unimos nossas dores às d’Ele, que, certamente, nos dará força, coragem e sabedoria necessárias para enfrentarmos esses desafios. Confiantes e certos de que não estamos sozinhos nessa luta, a Igreja nos acolhe e recebe; e Jesus Cristo caminha ao nosso lado. Confiantes em Suas promessas, podemos viver sem pecar .

 Foto
Formada em Psicologia, Judith foi cofundadora da Comunidade de Aliança Mãe da Ternura e voluntária num Centro de Atendimento e Aconselhamento para Mulheres ( Montgomery County Counselling and Carreer Center), em Washington, nos Estados Unidos. Atualmente, é psicóloga da Escola Internacional Everest, do Lar Antônia e da Congregação dos Seminaristas Redentoristas, todos com sede em Curitiba (PR), cidade onde reside.

VOCÊ JÁ OUVIU FALAR EM “TOC RELIGIOSO”?

Terco

O TOC – Transtorno Obsessivo Compulsivo  –  Religioso existe e surge nos pensamentos

Segundo Aristides Volpato, especialista em Transtorno Obsessivo Compulsivo, o TOC é caracterizado por pensamentos específicos, imagens e palavras que “invadem” nosso pensamento e consciência. A questão do problema é que esses pensamentos distorcidos surgem constante e repetitivamente, tornando-se, assim, uma obsessão. Esse pensamento obsessivo provoca nas pessoas um sentimento de angústia, medo, aflição e falta de controle, por não conseguir controlar os pensamentos. Assim, acabam reagindo a esses pensamentos intrusos e impositivos, realizando aquilo que lhe é ordenado.

Imagino que muitos de vocês já ouviram falar sobre TOC, mas tenho certeza que poucos ouviram dizer que existe TOC Religioso. Essa categoria existe e é classificada como obsessiva, ou seja, que surge e é forte a partir dos pensamentos.

O que é TOC Religioso?

Todo mundo que é religioso tem TOC? Não! Existe uma diferença entre o comportamento religioso e o obsessivo. Como diferenciar então? A pessoa que sofre o transtorno tem pensamentos e comportamentos irracionais, tornando-se “desajustados” aos olhos daqueles que estão a sua volta.

No âmbito da obsessão, o conteúdo dos pensamentos mais comuns são: pecado, demônio, culpa, escrupulosidade, sacrilégio e blasfêmia. Um exemplo de conteúdo do pecado: a mulher casada pensa “não posso ter relação sexual com meu esposo, porque sentirei prazer, e isso é pecado”.

Independente do conteúdo que a pessoa possui, mesmo sabendo que são absurdas e ilógicas, não se consegue desvincular dele. Assim, surge o comportamento ritualizado e repetitivo para sua sobrevivência. Como assim? A pessoa se confessa, todos os dias, ou um dia sim e outro não. Fica, em tempo integral, com um terço que foi abençoado pelo padre X e que tem muita unção. Faz jejum diariamente como forma de penitência.

O que acontece é que quem tem TOC religioso tem como conteúdo do seu transtorno práticas religiosas, ficando um pouco difícil de saber se é devoção e um relacionamento sadio com Deus, ou se já virou um transtorno.

Aprenda a identificar o TOC Religioso

CancaoAline Rodrigues é missionária da Comunidade Canção Nova, no modo segundo elo. É psicóloga desde 2005, com especializações na área clínica e empresarial. Possui experiência profissional tanto em atendimento clínico, quanto empresarial e docência.

Eu entendo realmente o que o outro diz?

EntenderElaine Ribeiro dos Santos

Um desafio nos relacionamentos – sejam eles na escola, no trabalho, em casa, com os amigos – é buscar o equilíbrio entre o falar e o escutar, sobre o quanto se fala e o quanto e como se escuta. Ouvir não é apenas colocar seu ouvido em escuta, ou seja, absorvendo o que o outro está falando, mas também perceber o que exatamente o outro diz para conhecê-lo melhor.

Quando você vai a uma loja onde o vendedor tem uma perfeita compreensão do que deseja, ele geralmente é assertivo e traz exatamente o produto que você busca, não é mesmo? Quando ele está distraído com outras coisas, preocupado com outras pessoas ao redor, geralmente você se incomoda, pois sente que ele não se comunica verdadeiramente com você.

Podemos comparar essa situação com nossos relacionamentos: quando não conseguimos “sair de nós mesmos” para perceber o outro, geralmente a comunicação vai mal. Mais complicado ainda quando, nesses relacionamentos, nós damos a nossa interpretação, muitas vezes, cheia de distorções, daquilo que ouvimos e tiramos conclusões precipitadas.

Para que possamos ser melhores ouvintes, é importante que possamos captar corretamente o sentido daquilo que a pessoa diz, evitando, assim, uma enxurrada de mal-entendidos. Mais do que as interferências e os ruídos externos numa mensagem, o que mais atrapalha são os ruídos internos, ou seja, aquilo que fica em nós e interpretamos, que então nos tira do foco e do real sentido daquela conversa.

A tendência das pessoas é ouvir apenas o que querem ouvir e olhar apenas o que realmente querem ver, ou seja, acabamos sendo seletivos e dando uma opinião individualizada e até mesmo conveniente a nós naquele momento.

Uma certa expressão diz que escutamos meia parte do que é falado, prestamos atenção na metade dessa metade e lembremos da metade disso tudo. Sendo assim, já pensou como e quanto retemos do que conversamos? E se desse pouco ainda tirarmos sentidos particulares, os resultados serão complicados.

Quando escutamos atentamente, demonstramos aceitação do outro e, acima de tudo, uma atitude amorosa e tão em falta em nossos dias atribulados e cheios de tecnologia e velocidade.

Que tal começar aos poucos a rever a forma como tem se comunicado no dia-a-dia em seus relacionamentos? Muitas vezes, aquela dificuldade com uma pessoa pode estar na pouca disponibilidade em ouvir, ou ainda, na forma como você interpreta, erroneamente, a mensagem do outro.

* Pense nisso!

ElaineElaine Ribeiro, Psicóloga Clínica e Organizacional, colaboradora da Comunidade Canção Nova. Blog: temasempsicologia.wordpress.com – Twitter: @elaineribeirosp

NAMORAR UMA PESSOA MAIS VELHA DÁ CERTO ?

FormacaoAdriano Gonçalves

Muitas pessoas vivem em um namoro literalmente uma “neura” de seus desejos e aspirações.

O namoro é um tempo fantástico de conhecimento da pessoa com quem namoramos. Eu busco conhecê-la e ela o mesmo. Nisto de fato acontecerão pontos de convergência e divergência. Afinal são duas pessoas diferentes, de contextos diferentes, educação diferentes, as vezes de culturas diferentes e por ai vai. Quis até enfatizar a repetição da palavra “diferentes” pois um namoro para dar certo ele não pode ser a somatória do que se tem como “iguais” mas sim a capacidade de acordos frente aos “diferentes”.

O que é igual raramente será um problema a ser resolvido entre vocês dois, a menos que o social exija isso de vocês e ai vocês dois terão que juntos buscar o “acordo”. O que “pega” são os diferentes. E ai onde mora a “caixa de pandora” da crise mas também se encontra o “pó de pirlimpimpim” para o sucesso a dois. Só pessoas capazes de fazer acordos livres e saudáveis entre os “diferentes” se beneficiam de maneira madura de uma relação afetiva! Ambos crescem!

Com base nisto que falei acima podemos pensar um pouco sobre a pergunta que intitula este texto: “ Namorar uma pessoa mais velha dá certo?”

O simples fato de namorar uma pessoa mais velha não é caso de dar errado ou certo, o detalhe não está numa questão de idade mas na capacidade de lidar com os diferentes. E isto vale para até quem é da mesma idade!

A primeira coisa a desmitificar é que nem sempre sua idade cronológica bate com sua idade afetiva. Podemos perceber isso em pessoas com 30,40 anos que tem uma idade afetiva beirando os 15, 20 anos. Até mesmo um de 20,30 anos com idade afetiva beirando os 40, 50 ( nem por isso ele é maduro – maturidade é a idade afetiva compativel ao que se espera de sua idade cronológica +- isso) . Então idade cronológica não define muita coisa!

A segunda coisa é “ o que de fato me impulsiona neste relacionamento?” Muitas pessoas vivem em um namoro literalmente uma “neura” de seus desejos e aspirações. Deposita no outro suas “esperanças” “expectativas” e “faltas” . Nesta hora te digo caminho a beira do suicídio da relação. Ai podemos pensar que pessoas de idades mais aproximadas tenham mais possibilidades de se encontrarem quando as aspirações e vivencias de vida e isso já é um ganho. Pessoas com vivencias diferentes terão que fazer muito mais acordos na relação. Por exemplo: Um rapaz no auge dos seus 20 anos pensando na faculdade, curso e intercâmbio namorando uma mulher de 30 anos já formada com doutorado nas mãos já pensando em ser mãe e se casar. Pode dar certo sim, mas terão que fazer muito mais acordos para solidificar a relação. Ai te digo o que dará sucesso ou não a relação serão o quanto as motivações de cada um forem em prol da relação e dos dois e nunca fechado no particular de cada um. (obs. usei o rapaz mais novo e mulher mais velha mas o mesmo diria de uma mulher mais nova e uma homem mais velho)

Terceira coisa não fazer do relacionamento um jogo de projeções. Isso pode acontecer quando a diferença de idade na verdade é um reflexo de uma busca louca em encontrar no outro o que não tive ou me falta. Por exemplo querer namorar uma menina mais nova para ser ter uma “sensação de permanecer o eterno garoto”. Ou namorar uma mulher mais velha querendo assim os cuidados mais “maternos” do que de fato de uma namorada .

Um quarto e último ponto que gostaria de tocar é o quanto neste namoro de pessoas de idades diferentes há uma cumplicidade e verdade frente ao que cada um sente. Pois se isto for uma aliança frágil, as pressões da família, da sociedade, dos amigos enfraquecerão a relação. Ou seja, o que cada um sente é forte o bastante para que o relacionamento prossiga? Ou o olhar do outro sobre vocês será persecutório demais não fazendo vocês suportarem?

Enfim o sucesso de um relacionamento não depende muito das diferenças das idades mas sim no quanto as motivações, maturidade, projeções e desejos estão afinados. O quanto de fato esta relação de namoro enriquece ambos na construção de uma família sólida e feliz! Lógico é bom ficar atendo as discrepâncias tão grandes que possam surgir. Tipo um cara de 20 anos querer namorar uma mulher de 60, ou uma de 60 namorar um rapaz de 20 denuncia muita coisa não? Será que quero uma mulher ou avó para cuidar de mim? Termino este texto não querendo ser polêmico ou preconceituoso mas sim para fazer refletir o que de fato tem nos movimentado!

* Simples e prático, não acham???!!!

Adriano Gonçalves - Canção Nova

Adriano Gonçalves

E QUANDO ACABA A PACIÊNCIA ?

Pacienciaby Ricardo Sá

Muita gente pensa que o fim da paciência é o fim da linha.

Quem perde a paciência facilmente conclui que acabou a amizade, findou a conversa, encerrou o assunto e não dá mais!

Entretanto, é preciso lembrar que quando a paciência acaba, começa o amor.

Um amor que tudo espera, perdoa e acredita.

Um amor misericordioso, que sabe dar uma nova chance.

Provavelmente, hoje será um dia para que, quando a paciência for embora, você deixe chegar o amor.

* Que venha o amor, não é verdade???!!!

ANTONIO ERMÍRIO DE MORAES

antonio1

O que eu faço de donativo, só eu e Deus ficamos sabendo. Meu pai me ensinou que donativo com propaganda não é donativo, é comércio.

ANTÔNIO HERMÍRIO DE MORAES – 1928 _  2014

 

Corpo de Antônio Ermírio de Moraes é sepultado em cemitério no Morumbi – São Paulo

 

* Ser humano excepcional a quem tive o prazer de conhecer. Foi um professor de vida. Deus o abençoe.

COISAS QUE SÓ ACONTECEM NA VIDA DE CASAL

Imagemby Fabrício Carpinejar

Arte de Fernand Léger
 
 
Nunca sei quando minha mulher está me abraçando ou apenas se aproveitando para espremer cravos e espinhas de minhas costas.
 
O que sei é que a vida de casal é linda.
 
A possibilidade de dormir no sofá e, na hora de acordar, descobrir que foi vítima da gentileza. Ela tirou seu cinto, seus sapatos, e ainda lhe cobriu com um edredon sem fazer barulho, no mais absoluto silêncio.  
 
A possibilidade de cancelar uma festa para ficar em casa assistindo a reprise de um filme, sem nenhuma crise de consciência, porque está casado. A preguiça a dois não traz nenhuma culpa.
 
A possibilidade de falar mal dos outros sem que seja condenado pelas fofocas.
 
A possibilidade de comer nas panelas para não criar mais louça.
 
A possibilidade de fazer uma viagem e dividir as memórias, as músicas do carro e as loucuras.
 
A possibilidade sexual de transformar a manhã em noite e a noite em manhã.
 
Casamento é cumplicidade, é não ter mais vergonha, é não ter mais medo, é acreditar que tudo tem uma solução, é dar a volta por cima, é não desistir de recomeçar.
 
Casar é como ganhar na Mega Sena. Você encontrou alguém que você ama e quer repetir todo dia entre duzentos milhões de apostas.
O amor é muita sorte.
 
* Simples assim, não acham???!!!
PANELA EUROPÉIA

O mundo numa panela só

Um Palco de Teatro

Poesias, Textos, Frases e Reflxões sobre o amor e a vida.

Sopa de Letras

Literatura, Cinema, Música, Educação e outros temas.

versaopaulo

cultura e história da cidade

Vida Legal

Porque a vida é muito mais interessante que a ficção.

imperfeitoparaiso

Aleatoriedades

Blog do Óbvio

Assuntos Diversos e Diversos Assuntos

Poesias e Cia - Ana de Lourdes Teixeira

Sem pretensões... O único desejo é compartilhar com as pessoas o que escrevo.

A DOSE DO DIA

O dia mais bem humorado da semana ;)

Realize Criatividade

por Patrícia de Azevedo

frascodememorias.wordpress.com/

“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Blog Caderno da Lua

#ApoioAutoresNacionais

Meio pão e um livro

Eu, se tivesse fome e estivesse à míngua na rua, não pediria um pão; pediria meio pão e um livro. (García Lorca)

O Outro Lado

Porque o melhor lado é o dentro

Abstract Art by Sharon Cummings

An artist with an irresistible urge to create!

Compasso Lento

Leia com passo lento...

Devir

O que vejo, sinto e imagino em letras.

Posso Dar Uma Dica?

Dicas para facilitar o dia a dia

essa tal de Alemanha

Crônicas do dia a dia

Letíciando

por Letícia Siller

Clau Assi, poesias.

Sonhos, realidades e poesias.

EscreViver

"O que é mais difícil não é escrever muito; é dizer tudo, escrevendo pouco" [Júlio Dantas]

It's a very deep sea

Um site sobre palavras

Divergências Vitais

Memórias, dicas e "causos" de uma brasileira vivendo na Alemanha.

o meu sofá cinzento

espaço reservado a desabafos tipo assim um bocadinho "crazy" "or not"

Vida de Mil Fases

São fases da vida,elucubrações variadas. É um túnel do tempo, é uma realidade inventada.

Pensamentos In_Versos

No vício da escrita, encontram-se os ditos, os amantes, os gritos internos e todos os avessos...

Trotamundos

by Tati Sato

Simplesmente Lola

Eu e minhas aventuras

Bloco de notas

Escrever é como uma terapia, um socorro, uma esperança. Estando feliz, apaixonada, triste, decepcionada escrevo, pois sei que lendo-me consigo me entender. Escrever é como fugir para um mundo secreto, meu universo particular onde não é proibido sonhar.

Minha Vida Comigo

Um câncer foi o gatilho que me fez querer viver a vida como protagonista. Vânia Castanheira - Medical, Health & Wellness Coach - ACC/ICF

Catarina voltou a escrever,

com vírgulas, pontos e dúzias de reticências...

Mariel Fernandes

A vista dos meus pontos

This German Life

um blog sobre nós dois (três) e a Alemanha

Diário de uma Teimosa

dicas de Estocolmo e da vida na Suécia

Eis a questão ...

Um blog realmente pessoal, que guarda um pouquinho de tudo aquilo que a autora gosta, faz, inventa, cozinha, desenha. Por isso, não precisa fazer sentido, não tem pretensões de seguir uma linha ou chegar a algum lugar específico: apenas existe para registrar, guardar e compartilhar um pouco dessas coisas de Olivia.

Sacudindo as ideias

Exercícios literários, escrita solta, pensamentos...

%d blogueiros gostam disto: