QUANDO A VIDA SE TORNA FICÇÃO

Imageby Pe. Flávio Sobreiro

Há muitos filmes de ficção que parecem nascidos de fatos verídicos. Quando terminamos de assistir a determinados filmes, chegamos mesmo a duvidar que tal história nunca tenha existido. Os papéis foram tão bem interpretados, a música casava-se perfeitamente com as cenas, a iluminação e as paisagens onde ocorreram as filmagens chegavam a beirar a perfeição. Cada gesto e expressão facial dos atores expressavam uma verdade que poderia enganar a pessoa mais esperta.

Essa realidade dos filmes de ficção é vivenciada por muitas pessoas que criam para si mesmas verdadeiros roteiros de um mundo que não existe. Nessa trama que compõe o roteiro de suas vidas, as pessoas ganhariam facilmente o Oscar de melhores atores e atrizes.

É complexo definirmos quando começa o processo de criação de um roteiro de ficção na vida. Geralmente, ele é desenvolvido a partir de uma grande dor ou de uma perda. Interessante notarmos que os grandes roteiros de ficção começam, justamente, a partir de um acontecimento marcante na vida.

Quando a pessoa se torna incapaz de viver a realidade de suas dores e traumas, ela cria um mecanismo que irá desenvolver em seu sistema psicológico realidades ficcionais. Criam para si um papel que não existe na realidade. Interpretam de maneira tão sofisticada aquilo que acreditam que é preciso muita perspicácia para descobrir onde termina a verdade e onde começa a ficção.

É preciso cuidado nestes papéis que vamos assumindo ao longo do nosso roteiro existencial. Alguns atores acreditam que não são amados e vivem em um mundo que não tem mais sentido para eles. Perderam o roteiro principal da vida, no qual foram criados para amar e serem amados. Assumiram um personagem que não representa a verdadeira realidade da vida.

Somos protagonistas do mundo que criamos para nós mesmos. Nas tramas da vida, o melhor Oscar que podemos receber é o de sermos protagonistas do amor.

* É perigoso isso, não acham???!!!

Anúncios

20 responses to this post.

  1. Manoel,
    Quando a realidade se torna tão difícil de suportar, a ficção permite sobreviver. É um mecanismo natural. É como o corpo que “desliga” de uma dor demasiado grande entrando em coma.
    O problema situa-se, na minha modesta opinião, no facto de detectar mas sobretudo ajudar quem atravessa uma dessas situações. Notei que, na maioria dos casos, essas pessoas em sofrimento são alvo de criticas e julgamentos por parte dos que os rodeiam e da sociedade porque “inventam”, “mentem” ou “iludem”. Na realidade, eles só tentam (sem sucesso), iludir-se a si próprios…
    Grande abraço!

    Curtir

    Responder

  2. E eu tô vivendo um dramalhão nesse exato momento rs
    E não tem nada de ficção rs

    KIsu!

    Curtir

    Responder

  3. Penso que quanto mais nos conhecemos, mais temos a descobrir, somos e guardamos em nós vários “eus” e vamos ao longo da vida desvendando cada um deles. Mas nem sempre trata-se de personagens, são apenas extensões que só conhecemos quando chegamos até elas. Gr. Bj. Manô!

    Curtir

    Responder

  4. Bem, eu assumo ser personagem meu caro já há algum tempo, mas não quero o oscar, esse eu deixo para os outros, quero pra mim a alegria de estudar esse personagem e perceber sua intempéries. rs

    bacio

    Curtir

    Responder

  5. Posted by Olivia Alves on 7 de janeiro de 2014 at 12:20

    Bom texto!

    Curtir

    Responder

  6. Posted by Frasco de Memórias on 7 de janeiro de 2014 at 9:50

    Muito bem visto!
    Também fiquei a reflectir acerca dos meus papéis…
    E quero o melhor Oscar: protagonista do Amor!
    Ana

    Curtir

    Responder

  7. Manoel,
    A pura verdade. São tantos personagens, vidas fictícias e máscaras que assumimos… Mais o mais triste para não dizer sombrio que muitas vezes nos adequamos chegando muitas vezes a abdicar, em alguns momentos, do que realmente somos para conquistar a tal “boa imagem” diante dos olhares alheios.
    E na verdade verdadeira de pessoas que não tem a minima importância em nossas vidas.
    beijos e to te devendo a resposta do e.mail…
    Lola

    Curtir

    Responder

    • Lola, é verdade. A pessoa acaba sendo ator ou atriz a vida toda. Isso fica mais fácil na amizade virtual. Por isso é que eu acho que conviver com uma pessoa é muito importante. A gente tem que ver a pessoa acordar, sem maquiagem, com “remela” nos olhos e entender que a vida é isso e amar essa pessoa acima de tudo isso. Amar suas manias, suas irritações, suas incertezas,…, enfim estar sempre com o ombro disponível para ela recostar a cabeça e se ela for do tipo “pavio curto” estar preparado para as “ressacas” de mau humor, kkk!
      Você não deve nada de resposta para mim. Escrevi que só se você estiver sem dor nenhuma você escreve. Se tiver muita vontade, escreva duas linhas. Já fico feliz. Eu quero é vê-la bem.
      Um beijo no coração

      Curtir

      Responder

  8. Muito interessante, Manoel. Obrigada pela partilha. 🙂 Beijo

    Curtir

    Responder

  9. Amigo, que abordagem excelente e o pior é notar que ocorre com mais frequencia do que imaginamos. Ao mesmo tempo, o ser humano por si só tem mesmo varios eus. É uma linha tenue entre o normal e o irreal.
    Beijos

    Curtir

    Responder

  10. Sensacional o ponto de vista. Estou aqui, refletindo quais são as máscaras e papeis que assumo e pra que ou quem eles servem. Super bom

    Curtir

    Responder

MUITO BOM COMPARTILHAR COM VOCÊ !

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

© Célia Moura

Biografia, Poesia, Pensamentos, Prosa Poética, Obras Publicadas, Projectos Literários

Relatos desde mi ventana

Sentimientos, emociones y reflexiones

Violeta López

violetalc01@gmail.com

Deixe escapar a emoção

Fabiana Oliveira

Tatyanna Gois

little ginger girl

Bastidores da Escrita

escritores rumo à publicação

Oh kah

por Verônika Leicam

Cara de Cotia

Meio divertida, por vezes filosófica, sempre confusa!

As Teorias da Elsa

Um blog que pretende motivar, inspirar, informar e dar a conhecer sítios e lugares surpreendentes.

Vovente by: Jessica Pereira

Um pedaço do meu coração está em você.

seismaisdois

um blog sobre tudo feito por alguém que não sabe nada

EscreViver

"Eu escrevo para os outros existirem", José Luís Peixoto

Dezassete

A felicidade passa por aqui

Vida Legal

Porque a vida é muito mais interessante que a ficção.

Antes de Adormecer

Sobre amor e outras coisas

Um Palco de Teatro

Poesias, Textos, Frases e Reflxões sobre o amor e a vida.

frascodememorias.wordpress.com/

“Le souvenir est le parfum de l´âme” – (George Sand).

Blog Caderno da Lua

#ApoioAutoresNacionais

Meio pão e um livro

Eu, se tivesse fome e estivesse à míngua na rua, não pediria um pão; pediria meio pão e um livro. (García Lorca)

O Outro Lado

Porque o melhor lado é o dentro

Compasso Lento

Leia com passo lento...

Devir

O que vejo, sinto e imagino em letras.

Clau Assi, poesias.

Sonhos, realidades e poesias.

EscreViver

"O que é mais difícil não é escrever muito; é dizer tudo, escrevendo pouco" [Júlio Dantas]

El Diver

a vida em todas as suas divergências

o meu sofá cinzento

espaço reservado a desabafos tipo assim um bocadinho "crazy" "or not"

Vida de Mil Fases

São fases da vida,elucubrações variadas. É um túnel do tempo, é uma realidade inventada.

Pensamentos In_Versos

No vício da escrita, encontram-se os ditos, os amantes, os gritos internos e todos os avessos...

Trotamundos

by Tati Sato

Simplesmente Lola

Eu e minhas aventuras

Bloco de notas

Escrever é como uma terapia, um socorro, uma esperança. Estando feliz, apaixonada, triste, decepcionada escrevo, pois sei que lendo-me consigo me entender. Escrever é como fugir para um mundo secreto, meu universo particular onde não é proibido sonhar.

Minha Vida Comigo

Um câncer foi o gatilho que me fez querer viver a vida como protagonista. Vânia Castanheira - Medical, Health & Wellness Coach - ACC/ICF

%d blogueiros gostam disto: